UBS QUILOMBOLA GURUGI

Na busca por uma linguagem que respeitasse a comunidade quilombola e sua história construída, procurou-se um conceito formal neutro, sem cair em uma provável ingenuidade de referenciar a história local, com o risco de se tornar uma ilustração ou simples cópia de intenções arquitetônicas. Uma construção branca, simples em arranjos volumétricos e bastante pragmática tende a se tornar isenta na sutil paisagem do quilombola e, neste sentido, destaca e valoriza as construções existentes e a própria vida da comunidade, que contêm de forma genuína o registro construído e vivo da história do lugar. 

Equipe Alessandro Yamada, Yuri Vasconcelos, Erik Hiroshi, Heinrich Froese, Beatriz Alves
Ilustrações Hein Froese, Erik Hiroshi
220 m2
 
2019 . conde . paraíba . br